Facebook Twitter RSS

Creepypasta Futurama - O Episódio Perdido


De presente pra vocês nesse Halloween, a melhor (e provavelmente única) creepypasta decente de Futurama. Espero que se divirtam e tenham bons sonhos com robôs maníacos perseguidores de humanos.

"Dead Bart"

O texto a seguir foi retirado do site Medo B. Clique aqui para ver o texto no site.

Você sabia que a Fox tem uma forma muito estranha de contar os episódios de Os Simpsons? Eles se recusam a contar alguns, fazendo a quantidade de episódios ser inconsistente. A razão para isso é um episódio perdido da primeira temporada.

Encontrar detalhes sobre esse episódio perdido é difícil, ninguém que tenha trabalhado no programa gosta de falar sobre isso. Pelo que se tem ouvido por aí, o episódio perdido foi totalmente escrito por Matt Groening (N/T: Criador da série). Durante a produção da primeira temporada, Matt começou a agir estranho. Ele estava muito quieto, parecia nervoso e mórbido.

Mencionar isso para qualquer um que estava presente na época os deixa bravos, e te proibem de mencionar qualquer coisa a Matt. O número de produção do episódio era 7G44, o título era Dead Bart (Bart Morto)

Além de ficarem bravos, perguntar para qualquer um que trabalhou no programa sobre isso os faz quererem fazer qualquer coisa para impedir você de se comunicar com Matt Groening. Em um evento, eu o segui depois que ele falou com a platéia, e eventualmente tive a chance de falar com ele à sós quando ele saía do prédio. Ele não parecia triste por eu tê-lo seguido, provavelmente esperando um encontro típico com um fã obssessivo. Mas quando mencionei o episódio perdido, toda a cor desapareceu do seu rosto, e ele começou a tremer. Quando perguntei se ele poderia me contar mais detalhes, sua voz soou como se fosse chorar à qualquer momento. Ele pegou um pedaço de papel, anotou algo nele, e deu para mim. Ele implorou que eu nunca mais mencionasse o episódio novamente.

O pedaço de papel continha um endereço de website nele, eu prefiro não dizer qual era, por razões que você verá em um segundo. Eu coloquei o endereço no meu browser, e fui para um site que era totalmente preto, exceto por uma linha de texto amarelo, um link de download. Assim que o arquivo foi baixado, meu computador ficou louco, era o pior vírus que eu já tinha visto. Restaurar o sistema não funcionou, o computador inteiro precisou ser formatado. Antes de fazer isso, no entanto, eu copiei o arquivo em um CD. Eu tentei abrí-lo no meu computador agora vazio, e como suspeitava, havia um episódio de Os Simpsons nele.

O episódio começava como qualquer outro episódio, mas tinha uma qualidade de animação muito baixa. Se você já viu a animação original de Numa Noite Encantada (N/T: Último episódio da primeira temporada - mas o primeiro a ser criado - conta sobre Bart e Lisa tendo de lidar com uma “babá bandida”), era similar, mas menos estável. O primeiro ato era razoavelmente normal, mas o modo como os personagens agiam estava um pouco diferente. Homer parecia bravo, Marge parecia deprimida, Lisa parecia ansiosa, Bart parecia ter ódio e raiva genuínos pelos pais.

O episódio era sobre os Simpsons indo em uma viagem de avião, perto do fim do primeiro ato, o avião estava decolando. Bart estava aprontando, como se esperava. Entretanto, quando o avião já estava há mais ou menos 15 mil metros de altura, Bart quebra uma janela e é sugado para fora.

No começo da série, Matt tinha uma idéia de que o estilo da animação do mundo de Os Simpsons representaria a visa, e que a morte tornaria tudo mais realístico. Isso foi usado neste episódio. A imagem do cadáver de Bart era irreconhecível, utilizaram-se da vantagem de não ter de animá-lo, e fizeram um desenho praticamente foto-realístico de seu corpo morto.

O ato um termina com a imagem do cadáver de Bart.


Quando o ato dois começa, Homer, Mage e Lisa estão sentados à mesa, chorando. O choro continua e continua, fica mais doloroso, e soa muito realístico, mais do que você pode achar possível. A animação começa a decair quanto mais eles choram, e você pode ouvir murmuros aos fundo. Esse choro se extende por todo o segundo ato.

O terceiro ato abre com um título dizendo que um ano se passara. Homer, Marge e Lisa estão extremamente magros, e ainda sentados à mesa. Não há sinal de Maggie ou dos animais.


Eles decidem visitar o túmulo de Bart. Springfield está totalmente deserta, e enquanto eles andam até o cemitério, as casas ficam mais e mais decrépitas. Todas parecem abandonadas. Quando chegam ao túmulo, o corpo de Bart está simplesmente caído na frente de sua lápide, parecido com a cena final do primeiro ato.

A família começa a chorar de novo. Eventualmente eles param, e apenas encaram o corpo de Bart. A câmera foca no rosto de Homer. De acordo com alguns resumos, Homer conta uma piada nessa parte, mas não é audível na versão que vi, não se pode entender o que Homer fala.

A cena se afasta enquanto o episódio termina. As tumbas ao fundo possuem os nomes de todos os convidados especiais de Os Simpsons. Alguns ninguém tinha ouvido falar em 1989, outros nem ainda haviam estado no programa. Todos possuem datas de morte neles. Para convidados que morreram recentemente, como Michael Jackson e George Harrison, as datas estão de quando eles deveriam morrer.

Você pode tentar usar as tumbas para prever a morte dos convidados especias de Os Simpsons que ainda estão vivos, mas tem algo de muito estranho na maioria daqueles que não morreram ainda. Todas as suas mortes estão listadas no mesmo dia.

Veja abaixo vídeos do episódio "Dead Bart":








"Not Long Enough"

Até pouco tempo atrás, pensávamos que Matt Groening tinha se recuperado completamente de seja lá o que estava o fazendo agir tão estranhamente durante o incidente do Dead Bart que afetou sua vida pessoal desde então. Depoimentos recentes do funcionário que encontrou o vídeo do Dead Bart, no entanto, indicam que Matt Groening passou por um incidente similar, há dez anos. Era o verão de 1999, e Futurama havia acabado de estrear. Matt estava trabalhando em duas séries e já começava a mostrar sinais de estresse, quando anunciou que estava trabalhando em outro episódio que seria 100% de sua autoria. Isso assustou alguns membros da equipe de ambas as séries, porém eles estavam hesitantes de trazer Dead Bart à tona e a equipe de Futurama não viu nenhum motivo para rejeitar a ideia de Matt. Uma versão inicial do episódio foi produzida e o funcionário que encontrou o Dead Bart conseguiu fazer uma cópia desta também. O episódio de chamava “Not Long Enough”.



O episódio começava com Fry, Leela e Bender fazendo uma entrega para a Planet Express. Ninguém revelou exatamente o que eles estavam entregando ou aonde estavam indo, e todo mundo parecia bem chateado por causa de algum evento sem explicação que acontecera recentemente. Leela e Bender estavam com raiva de Fry, que ficava se desculpando, mas era friamente rejeitado pelos amigos. Eles acabaram chegando a um planeta que parecia possuir apenas casas rodeadas por campos vazios e desolados por todos os lados. Eles bateram em uma porta e um alienígena grotesco que parecia ser bem velho os atendeu. Ele pegou a encomenda sem dizer uma palavra. Abriu-a, tirou dela uma faca, e então se esfaqueou.

A tripulação da Planet Express não pareceu achar isso estranho ou chocante; eles simplesmente deixaram o corpo no chão e voltaram em silencio à nave. A próxima cena mostrava a nave da Planet Express vagando no espaço. Uma música dissonante feita por instrumentos extremamente agudos tocando em um passo muito lento tocava no plano de fundo enquanto a nave vagava por um negro e vazio espaço.

Eles finalmente chegaram à Terra onde aterrissaram em uma Nova Nova York deserta. Fry começou a se desculpar novamente enquanto os três andavam pelas ruas vazias (não havia sinal do prédio da Planet Express), mas Leela e Bender olharam-no em silêncio. Fry desistiu e se separou de seus amigos. Ele andou por um bom tempo, sem nunca encontrar uma única pessoa.


Chegou então ao edifício de criogenia onde foi congelado, olhou o interior, e começou a chorar. O choro continuou por alguns minutos antes que ele entrasse no prédio. Fry entrou em um dos tubos, ajustou o timer em um número gigantesco com mais zeros do que eu podia contar, e nele se trancou. A tela escureceu e quando voltou, a imagem estava inteiramente em Fry. A máquina deve ter parado de funcionar parcialmente, pois partes de Fry estavam decaindo; ossos estavam atravessando sua pele em vários lugares. Fry murmurou, “é o que eu mereço”, e saiu do dispositivo criogênico.



Ele se encontrava em um lugar surreal, indescritível. Nele havia uma grande variedade de formas e cores, mas não era nada claro ou fantástico. Era como as cores que você enxerga quando fecha os olhos com muita força. Fry começou a andar, o vazio surreal em que ele estava continuava indefinidamente. Continuou a andar por alguns minutos. As cores continuavam a criar formas até que discerníveis, mas nenhuma delas era agradável de se olhar. Após sua longa caminhada, Fry encontrou uma fotografia no chão. Esta estava em um contexto completamente diferente deste ambiente; parecia algo desenhado no estilo comum de Futurama. Era um foto dele, Leela e Bender. Fry a olhou por alguns segundos antes de começar a chorar novamente. Logo, a fotografia se tornou pó e Fry continuou a vagar.

A imagem foi se distanciando até que Fry não pudesse mais ser visto e todas as cores se misturassem em negro. A imagem continuou a se distanciar e vimos que o negro era apenas um minúsculo fragmento da pupila de um de seus olhos. Seu corpo congelado caiu da unidade criogênica e ficou parado em uma sala abandonada.

Bender e Leela entraram no aposento. Eles viram o que Fry fez consigo mesmo e Leela disse, “ele teve o que mereceu”. Então olhou em seu relógio e falou que estava na hora de sua próxima entrega – tirou uma faca de seu bolso, colocou-a em uma caixa de papelão e foi até a nave.

Tradução de Not Long Enough: Guilherme Preissler
Fonte de Dead Bart: Medo B

21 comentários:

Especial Invenções #6 - Máquina Duplicadora


Descrição: Uma máquina que, segundo seu criador, "pega dois objetos e faz duas cópias menores".
Como usar: Primeiramente, coloca-se o objeto a ser duplicado no escâner localizado na parte superior do invento. Com o escaneamento realizado, adiciona-se qualquer tipo de matéria no triturador localizado na lateral do dispositivo (recomenda-se usar o álbum de casamento de Zoidberg). Feito isso, o prisma de matéria da máquina reorganiza o material colocado em duas cópias menores.
Utilidade: A Máquina Duplicadora parece ser muito útil para pessoas idosas como o Professor Farnsworth, que estão ficando menores e com mais frio: com este dispositivo, é possível ter duas vezes mais casacos em tamanhos menores.
Ano de criação: 3011
Inventor: Hubert J. Farnsworth
Informações adicionais:
- A Máquina Duplicadora é extremamente parecida com um retroprojetor;
- O nome original da máquina é "Banach-Tarski Dupla-Shrinker", em homenagem ao Paradoxo de Banach-Tarksi.

Imagens:




Opiniões da equipe:
Amy: "Gostei de como isso não está nos matando por enquanto"
Fry: "Então é daí que vêm os casacos de bebê!"

7 comentários: